quarta-feira, 31 de outubro de 2018

Conheça a dança do Siriá

Tradição - História



A mais famosa dança folclórica do município de Cametá é uma das manifestações coreográficas mais belas do Pará. Do ponto de vista musical é uma variante do batuque africano, com alterações sofridas através dos tempos, que a enriqueceram de maneira extraordinária.

Contam os estudiosos que os negros escravos iam para o trabalho na lavoura quase sem alimento algum. Só tinham descanso no final da tarde, quando podiam caçar e pescar. Como a escuridão dificultava a caça na floresta, os negros iam para as praias tentar capturar alguns peixes. A quantidade de peixe, entretanto, não era suficiente para satisfazer a fome de todos.

Certa tarde, entretanto, como se fora um verdadeiro milagre, surgiram na praia centenas de siris que se deixavam pescar com a maior facilidade, saciando a fome dos escravos. Como esse fato passou a se repetir todas as tardes, os negros tiveram a idéia de criar uma dança em homenagem ao fato extraordinário. Já que chamavam “cafezá” para plantação de café, “arrozá” para plantação de arroz, “canaviá” para a plantação de cana, passaram a chamar de “síria”, para o local onde todas as tardes encontravam os siris com que preparavam seu alimento diário.

Com um ritmo que representa uma variante do batuque africano, a "dança do siriá" começa com um andamento lento. Aos poucos, à medida que os versos vão se desenvolvendo, a velocidade cresce, atingindo ao final um ritmo quase frenético. A "dança do siriá" apresenta uma rica coreografia que obedece às indicações dos versos cantados sendo que, no refrão, os pares fazem volteios com o corpo curvado para os dois lados.

Tal como a "dança do carimbó", os instrumentos típicos utilizados são dois tambores de dimensões diferentes: para os sons mais agudos (tambor mais estreito e menor) e para os sons graves (tambor mais grosso e maior). Os passos são animados ainda por ganzá, reco-reco, banjo, flauta, pauzinhos, maracá e o canto puxado por dois cantadores.

Também chamada pelos estudiosos como "a dança do amor idílico", a "dança do siriá" apresenta os dançarinos com trajes enfeitados, bastante coloridos. As mulheres usam belas blusas de renda branca, saias bem rodadas e amplas, pulseiras e colares de contas e sementes, além de enfeites floridos na cabeça. Já os homens, também descalços como as mulheres, vestem calças escuras e camisas coloridas com as pontas das fraldas amarradas na frente. Eles usam ainda um pequeno chapéu de palha enfeitado com flores que as damas retiram, em certos momentos, para demonstrar alegria, fazendo volteios. (www.cdpara.pa.gov.br).

Interrogação


Diariamente recebo muitas mensagens perguntando se haverá ou não desfile das escolas de samba em 2019 no Amapá.
Confesso que gostaria de poder responder, mas infelizmente nenhuma informação oficial chegou por aqui.

Sinfônica


Inscrições até esta quinta (1), para participar da 1ª Companhia de Ópera do Amapá (Coro Sinfônico da Amapá Liryc Ópera), que faz parte da Escola e Produtora Little Mozarts, uma das mais consolidadas instituições musicais do Brasil.
São 20 vagas para soprano, 10 para mezzo soprano, 20 para contralto, 20 para tenor, 15 para barítono e 15 para baixo.
Informações: 98126-9134 (whatzapp) e 99111-7232 ou pelo site: www.mozarts.com.br.

Mudança


O show do cantor e compositor, Jorginho do Cavaco, “Clássicos do Samba”, marcado para o dia 1º de dezembro, mudou para o dia 8 do mesmo mês.
No Norte das Águas (Complexo Marlindo Serrano – Araxá). Informações: 99139-7731.

Profissionalismo


Produtor, locutor publicitário e DJ. O amigo Rocha é tudo isso e mais um pouco, além do grande profissional que é em tudo o que faz.

Proprietário do Estúdio Midas Live (bairro Perpétuo Socorro), o empresário tem uma agenda, cheia durante a semana, com gravações de áudios e produções diversas, e nos finais de semana ele é muito solicitado para tocar em vários eventos. Ufa, o “cara” não é fraco, não.

Capacitando


Até dezembro, cerca de três mil pessoas de diferentes regiões do Brasil, terão a oportunidade de participar, gratuitamente, do Programa Funarte de Capacitação Técnica 2018.
A ação, iniciada em julho deste ano, já passou por cinco cidades: Goiânia (GO), Londrina (PR), Campina Grande (PB), Campinas (SP) e Belém (PA). As próximas etapas serão em Fortaleza (CE), de 6 a 9 de novembro; e no Rio de Janeiro (RJ), de 11 a 14 de dezembro, última etapa do programa.
Em cada uma das cidades serão oferecidas onze oficinas nas áreas das artes cênicas, música e artes visuais, além de dois seminários sobre ‘Arte e Educação' e ‘História da Arte e História da Música'. 

“Último Chá”


Título da música de Paulinho Bastos gravada em seu 1º disco (CD), “Batuqueiros”, com participação especial do cantor e compositor, Nico Cadena, sobrinho do artista. Uma bela canção.

É hoje


Acontece nesta quinta (1), mais um Luau da Samaúma, no Complexo Marlindo Serrano – Araxá, Praça da Samaúma.
Atrações: Quarteto Casa Nova, Taty Taylor e Banda Babilônia, Banda da Guarda Civil e o DJ Setecta Branks. A temática é “Anos 60 e 70”. Realização da Prefeitura de Macapá e Ministério Público.

CUITELINHO


Música brasileira com origem no folclore do Pantanal de Mato Grosso. Considerada uma das mais lindas músicas do cancioneiro popular brasileiro, Cuitelinho (denominação regional para Beija-flor) conta, à maneira do povo, uma pequena história de saudade, que pode ser interpretada como a saudade de um soldado brasileiro que lutou na Guerra do Paraguai. A letra foi recolhida por Paulo Vanzolini durante uma pescaria.

LUAU


ARTEAMAZON confirma presença no “Luau Samaúma Anos 60 e 70”


Acontecerá no dia 1º de novembro de 2018, na orla de Araxá, Zona Sul de Macapá, a terceira edição da segunda temporada do Lua da Samaúma. Inspirado nas décadas de 60 e 70, o evento promete apresentar em clima retrô, mais de seis atrações com músicas e intervenções artísticas a céu aberto. A programação é gratuita e inicia às 18h. O evento é iniciativa do Ministério Público do Estado do Amapá em parceria com a Prefeitura de Macapá, que visa tornar um espaço ocioso em um espaço dinâmico, como forma de valorizar a cultura local, fazendo da praça parte do cotidiano das famílias amapaenses.
O ARTEAMAZON é a primeira galeria de artes online da Amazônia e levará as obras que são comercializadas no site à praça, como forma de diminuir a distância entre a arte da Amazônia e a população. A exposição contará com mais de 10 quadros, nas categorias pintura, desenho e fotografia, de artistas amapaenses e paraenses.
O evento acontecerá na Praça da Samaúma, que fica em frente ao Prédio da Procuraria-Geral do Ministério Público do Estado do Amapá no bairro do Araxá.  Para saber mais sobre o evento, acesse os links abaixo e acompanhe as nossas publicações nas redes sociais.

Resumo:

  • Evento: ARTEAMAZON confirma presença no “Luau Samaúma Anos 60 e 70”
  • Data: Quinta-feira, 1º de novembro de 2018.
  • Hora: 18:00 h as 23:00 h
  • Local: Stand do ARTEAMAZON na Praça da Samaúma no Araxá
Texto do site https://arteamazon.com/

terça-feira, 30 de outubro de 2018

Funarte pode virar Agência de Fomento e Investimento


Mudança – Proposta


Com o objetivo de buscar alternativa que proporcione à Funarte um modelo de modernização administrativa, com receitas próprias e capacidade de captação de recursos, seus servidores estabeleceram um grupo de trabalho que estuda, desde 2016, as possibilidades de uma nova modelagem.

O resultado é a proposta de transformação da fundação em uma agência de fomento e investimento. Apesar de cada setor demandar uma especificidade, a inspiração é o modelo da Agência Nacional de Cinema, dada a transformação por ela implementada no mercado audiovisual.

Para que isso ocorra, há a necessidade de um novo ordenamento jurídico da Funarte, que seria, de acordo com a proposta, renomeada para Agência Nacional de Artes (Anarte) e cuidaria das artes do fomento aos estreantes ao mercado maduro do show business.

Deste modo, a Funarte apresenta uma alternativa apropriada aos modelos mais modernos de gestão pública buscando cooperar com a eficiência do Estado brasileiro por meio da superação das contingencias orçamentárias e operacionais, conforme o modelo proposto pela Medida Provisória 850 para a Agência Brasileira de Museus (Abram), um serviço social autônomo para gestão de museus.

"A proposta do GT tem total convergência com o momento, pois soluciona um problema de ordem prática, que é o contingenciamento de recursos orçamentários, apresentando uma solução de sustentabilidade e alta eficiência garantidas, a exemplo da Rede Sarah, cuja eficiência serve de meta para Abram, criada pela MP 850", comenta a secretária-executiva do MinC, Cláudia Pedrozo. (www.cultura.gov.br).

- Luau


Quinta, 1, tem o Luau da Samaúma, no Complexo Marlindo Serrano – Araxá, na Praça da Samaúma, em frente ao prédio do Ministério Público, a partir das 18h.
A temática é “Anos 60 e 70”, com músicas que marcaram as duas décadas, tocadas e cantadas por Quarteto Casa Nova, Taty Taylor e Banda Babilônia, Banda da Guarda Civil e o DJ Setecta Branks. Realização da Prefeitura de Macapá e Ministério Público.

Juventude

Foto: Cláudio Rogério

A jovem cantora e compositora amapaense, Fátima Teixeira, já vem conquistando seu público com a bela voz que tem.
Com 2 anos de carreira profissional, vem sendo bastante solicitada para cantar e tocar nos bares da vida. Parabéns e boa sorte.

Secult


Em conversa com vários artistas, ouvi deles: “Esperamos que o próprio governador reeleito, Waldez Góes, indique o secretário de cultura, e não permita nenhuma sugestão de deputados, senão a Secult vai continuar como está. Parada”.

Extinção?


A chamada Bancada Evangélica, uma das principais bases de apoio do presidente eleito, Jair Bolsonaro, e que elegeu, este ano, 180 parlamentares, lançou uma lista de propostas que inclui a extinção de Ministérios e outros órgãos.
Uma das medidas proposta pela BE é a redução do número de ministérios de 28 para 15, e o Ministério da Cultura está incluído nessa proposição e passaria a ser incorporado ao Ministério da Educação.

Prêmio


O Patrimônio Cultural Brasileiro é um dos temas que poderá concorrer ao Prêmio Nacional de Turismo 2018. O edital, lançado pelo Ministério do Turismo, segunda (22), objetiva identificar, reconhecer, premiar e disseminar projetos inovadores.
Além de estarem relacionados aos setores público e privado e profissionais que tenham atuado de maneira criativa em prol do desenvolvimento do turismo no país. 

Festival do Caju


Dias 3 e 4 de novembro (sábado e domingo) vai acontecer o 2º Festival do Caju, em Ferreira Gomes e Paredão.
Atrações: Kinzinho & Banda e Mara Pancadão & Banda.

Musicalizando

foto: ilustração

No município de Ferreira Gomes (AP) o projeto “Musicalizando Ferreira Gomes”, está dando visibilidade à cidade e proporcionando conhecimento musical aos jovens.
A iniciativa é do músico, produtor e compositor, Joãozinho Batera, com patrocínio da prefeitura do município. Bela sacada.

A importância do livro


Leitura – Educação


A grande importância do livro, desde os antigos papiros, tábuas de argilas e outros suportes se estende até os dias de hoje, quando novas mídias digitais colocam ao alcance de qualquer pessoa com acesso a dispositivos eletrônicos (smartphones, tablets, PCs) bibliotecas imensas.

Vivenciamos hoje uma verdadeira avalanche de publicações, tanto impressas como digitais, o que requer dos leitores, bibliotecários, professores e demais leitores critérios para selecionar e filtrar o que realmente vale a pena ser lido e até ser arquivado. Por incrível que pareça, apesar dos avanços tecnológicos, da expansão das editoras e bibliotecas (estas fazem poucas aquisições), muita gente está excluída desse universo das letras.

Geralmente trabalham nas bibliotecas escolares aqueles professores com problemas de saúde, prestes a se aposentar e raramente esses ambientes conseguem atender à demanda e contribuir de forma eficaz na formação de leitores. E essa falha se mostra contundente, como por exemplo nos exames do Enem e nos concursos de redações! Já em muitas casas, mesmo de classes mais privilegiadas, se prioriza os espaços de jogos e lazer, com equipamentos eletrônicos sofisticados, mas bem poucos possuem livros ou têm o hábito de comprá-los ou frequentar bibliotecas.

Quando no mundo inteiro se faz esta reflexão sobre a importância do livro, nós brasileiros deveremos também questionar as políticas públicas para o livro e a leitura, que ao menor sinal de crise são imediatamente penalizadas. Os municípios brasileiros dão pouca ou nenhuma atenção ao livro. As informações que temos é de que em todo o Brasil as bibliotecas públicas, que deveriam ser o centro irradiador de cultura e conhecimento, estão sempre relegadas, sem aquisição de novos livros e publicações informativas, sem equipamentos modernos de informática e internet, mobiliários e espaços de convivência adequados para que se adaptem ao imenso fluxo de cultura e arte que existe por todas as cidades brasileiras.

O livro, seja impresso ou digital, é possivelmente a invenção mais genial do homem. Fico com o grande escritor argentino Jorge Luis Borges: “O livro é a grande memória dos séculos. Se os livros desaparecessem, desapareceria a história e, seguramente, o homem”. E, como Borges, sempre digo: tenho mais orgulho dos livros que li dos que dos livros que escrevi! (Texto: Paulo Tarso Barros - escritor, professor e editor. Autor, dentre outros livros, de “Poemas de Aço”, “O Benzedor de Espingardas”, História de um Sino” e “Os Silêncios da Eternidade”). 
(www.opiniaoepalavras.com).

Palco Giratório


Sábado, 3, tem o espetáculo de dança, “O Crivo”, no Sesc Araxá, como atração de mais uma etapa do projeto Palco Giratório.
A realização é do Grupo Ateliê do Gesto (GO), a partir das 20h. Entrada franca.

Expectativa


Com a eleição dos novos governantes, em todo o país, os artistas esperam dias melhores para todos os segmentos artístico-culturais.
A expectativa é grande.

Luau


Quinta, 1, tem o Luau da Samaúma, no Complexo Marlindo Serrano – Araxá, na Praça da Samaúma, em frente ao prédio do Ministério Público, a partir das 18h.
A temática é “Anos 60 e 70”, com músicas que marcaram as duas décadas, tocadas e cantadas por Quarteto Casa Nova, Taty Taylor e Banda Babilônia, Banda da Guarda Civil e o DJ Setecta Branks. Realização da Prefeitura de Macapá e Ministério Público.

Carnaval


Vamos aguardar o que fora prometido, durante a campanha, pelo candidato Waldez Góes (reeleito governador do Amapá).
“Se depender do governo do estado terá o carnaval das escolas de samba em 2019, mas as agremiações precisam se organizar”, disse.

Solidariedade


Escola de samba Piratas Estilizados entra na campanha em prol da saúde da jovem Maira Carolina Soares (Carol), que está com Leucemia Linfoblástica Aguda.
Ela vai passar por uma cirurgia fora do estado, e amigos e familiares estão organizando um festival de prêmios para arrecadar recurso pra ajudar no tratamento.
Informações: 99179-3318 e 99102-2954. Doação em dinheiro: Banco do Brasil – AG 0261-5, conta corrente 92.588-8, em nome de Naira Carolina Soares.

Patrimônio Arqueológico Brasileiro

Riqueza - Pertencimento


Reconhecidos como parte integrante do Patrimônio Cultural Brasileiro pela Constituição Federal de 1988, em seu artigo 216, os bens de natureza material de valor arqueológico são definidos e protegidos pela Lei nº 3.924, de 26 de julho de 1961, sendo considerados bens patrimoniais da União. Também são considerados sítios arqueológicos os locais onde se encontram vestígios positivos de ocupação humana, os sítios identificados como cemitérios, sepulturas ou locais de pouso prolongado ou de aldeamento, "estações" e "cerâmicos”, as grutas, lapas e abrigos sob rocha. Além das inscrições rupestres ou locais com sulcos de polimento, os sambaquis e outros vestígios de atividade humana.
São passíveis de processo judicial por danos ao patrimônio da União e omissão, por exemplo, os proprietários de terras que encontrarem qualquer achado arqueológico e não comunicarem ao Iphan no prazo de 60 dias. Todos os sítios arqueológicos têm proteção legal e quando são reconhecidos devem ser cadastrados no Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos (CNSA). Com a criação do Centro Nacional de Arqueologia (CNA) o Iphan atendeu à necessidade de fortalecimento institucional da gestão desse patrimônio, normatizada pelo Decreto nº 6.844, de 07 de maio de 2009. Cabe ao CNA, a elaboração de políticas e estratégias para a gestão do patrimônio arqueológico, a modernização dos instrumentos normativos e de acompanhamento das pesquisas arqueológicas que, em duas décadas, aumentaram de cinco para quase mil ações por ano.

Entre as principais atividades do Centro estão o desenvolvimento de ações de acautelamento (tombamento e proposição de medidas diversas para a proteção e valorização do patrimônio arqueológico), a autorização e a permissão para realização, acompanhamento e fiscalização de pesquisas arqueológicas; e a implementação de diversas ações de socialização do patrimônio arqueológico. O instrumento central para orientação dessas ações é o Plano Diretor Estratégico, que deve estabelecer a política nacional para o patrimônio arqueológico quanto à identificação, pesquisa, proteção, promoção e socialização, incluindo um modelo institucional de gestão e um programa de tombamento de bens de natureza arqueológica, dentre outras ações.
(http://portal.iphan.gov.br).

Banzeiro


O projeto de cultura popular Banzeiro do Brilho-de-Fogo, vai realizar seu Cortejo de final de ano em 15 de dezembro.
Dia 23 de novembro inicia o período de ensaios, na Praça Floriano Peixoto, às 19h. Vá lá e se inscreva. O convite é para toda família.

Jovem talento


Cantor e compositor amapaense da nova geração, Nitai Santana, já vem se destacando no cenário musical amazônico, cantando e tocando violão.
O jovem talento está com repertório próprio que faz parte de seu 1º disco (CD), já em processo de gravação. Parabéns.

Agenda MPA


Dia 9 de novembro tem show de Paulinho Bastos e Banda Afro Brasil, no Norte das Águas, a partir das 9 da noite.
Complexo Marlindo Serrano – Araxá.
Informações: 99178-6714 e f99130-5276

Exposição


O Sesc AP vai realizar, de 29 de outubro a 30 de novembro, no Sesc Centro, a exposição literária  dos poetas Millôr Fernandes e Paulo Leminski, às 19h.
Será uma programação especial literomusical com as participações do compositor e escritor amapaense, Ademir Pedrosa, e dos cantores Maria Rojanski e Cássio Pontes.
A exposição é gratuita e conta com um vasto acervo repleto de poesia. A partir desta iniciativa, o público tem a oportunidade de conhecer mais sobre a vida e as obras dos escritores e poetas. Entrada franca.
www.sescamapa.com.br.

Dinossauros


Veteranos do Handbol amapaense (décadas 80, 90 e 2000) se reencontraram, quinta (25), na quadra do colégio Gabriel Almeida Café (antigo CCA), para reerguer o esporte no estado.
A iniciativa veio do atual presidente Kelson Costa, que assumiu a Federação em fevereiro e quer reorganizar a instituição. Bela iniciativa.

Samba


Cantor e compositor Jorginho do Cavaco tem show de samba, no Norte das Águas, dia 1º de dezembro.
No Complexo Marlindo Serrano – Araxá, a partir das 9 da noite.

sexta-feira, 26 de outubro de 2018

Convite


O Quilombo de Artes Tapuia, tem a honra de convidar a comunidade a participar do Evento Cultural que ocorrerá dia 26/10, a partir das 18:30 horas na sede da Associação Quilombo de Artes Tapuia, no Distrito do Coração, dentro do projeto Ponte cultural Amapá Guiana
O evento contará com a apresentação exclusiva do grupo KATREPIS da Guiana Francesa.
Programação:

As 18:30H- recepção ao grupo KATREPIS pelo grupo juvenil de Batuque e Marabaixo Santo Antônio e São Benedito do Coração;
As 19:00H- show de Dança afro com os jovens do distrito do Coração;
As 19:30H- desfile de biojoias produzidas pelas artesãs do Quilombo de Artes Tapuia com designer de Rosangela Tapuia;
As 20:00H- apresentação do grupo KATREPIS da Guiana Francesa;
As 21:00H- show Zankerada com Fineias Nelluty:
As 22:00H encerramento com show de Batuque, Marabaixo e Kassikó.

Durante todo o dia, haverá exposição e comercialização de artesanato das mulheres artesãs do Distrito do Coração - Quilombo de Artes Tapuia.
A partir das 18:30H- comercialização de comidas típicas e gengibirra.

Quilombo de Artes Tapuia- rua São Francisco de Assis, 1771, Distrito do Coração - Macapá

Você é nosso convidado especial!

O Curiaú está dentro de mim e do meu negro olhar

Lugar – História



Conhecido com o endereço e a inspiração dos poetas e compositores tucujus. Curiaú ou cri-a-ú, uma criação de bois.Distante a 8 km da capital Macapá, é formada por dois pequenos núcleos populacionais "Curiaú de Dentro e Curiaú de Fora". Constitui-se em uma das raras comunidades negras existentes no País. O Curiaú é também uma área de preservação ambiental (APA), que tem como objetivo a proteção e conservação dos recursos naturais e ambientais da região. Embora muitos espaços de sua área já tenha sido invadidos pelos homens da cidade. Mesmo assim os moradores da APA do Rio Curiaú lutam para preservar além da beleza natural da região, que ali habita, da memória dos antigos escravos trazidos no séc. XVIII para a construção da Fortaleza de São José. Foram eles os formadores dos pequenos núcleos familiares que originaram a Vila do Curiaú (antigo quilombo) e as demais comunidades existentes na área.
Residem atualmente na Área de Proteção Ambiental no Rio Curiaú, cerca de 1.500 pessoas divididas em quatro comunidades - Curiaú de Dentro, Curiaú de Fora, Casa Grande e Curralinho. Para essas pessoas a preservação da beleza local é uma questão de sobrevivência: é preciso manter os peixes, as garças e a graça do lugar.

O negro está presente na história do Amapá desde o começo da ocupação em meados do século XVIII. Os primeiros chegaram à região em 1751, trazidos como escravos por famílias do Rio de Janeiro, Pernambuco, Bahia e Maranhão, que vinham povoar Macapá. Em seguida começaram a ser importados da Guiné Portuguesa, principalmente para a cultura do arroz. O maior contingente veio a partir de 1965 para a construção da Fortaleza São José de Macapá. Em abril desse mesmo ano, o governo do Grão-Pará mantinha 177 negros escravos trabalhando no forte. Alguns morreram de doenças como o sarampo e a malária e por acidente do trabalho. Outros conseguiram fugir aventurando-se pelo Lado do Curiaú.

Nessa região o português Manoel Antônio Miranda, mantinha propriedade, na chamada Lagoa de Fora e não se importou de acolher os escravos. Também os franceses que procuravam fixar-se na margem direita do Rio Araguari estimularam a formação de quilombos. Em 1862, quando a população de Macapá era de 2.780 habitantes, os negros escravos somavam 722, cerca de 25%. A comunidade negra sempre contribuiu para a formação cultural, econômica, social e política do Amapá. O Curiaú é um exemplo dessa contribuição.

Agora falando da poesia do lugar, lá no chamado “quilombo”, moram pessoas maravilhosas, e as que visitam o lugar se encantam com tanta beleza, capaz de dizer que ali é um paraíso, e é mesmo. Nossos letristas-compositores chegam a dizer que o velho Curiaú serve de fonte inspiradora para suas obras musicais e literárias. Como o cantor e compositor amapaense, Val Milhomem, que destacou em uma de suas canções, “Pras Minhas Paixões”, que “O Curiaú não é no sul, está dentro de mim, do meu negro olhar e da minha solidão”. Emoção profunda pelo orgulho de assumir sua identidade e reconhecer a importância daquele lugar diante do mundo e dizer que esse canto do Brasil é no Amapá e não do lado de lá.

Imperdível


Dia 3 de novembro tem show com os cantadores, Paulinho Pedra Azul e Eudes Fraga, no Norte das Águas, Complexo Marlindo Serrano – Araxá, a partir das 22h.
Informações: 99193-8466 e 98110-5404.

*Museu Sacaca receberá recursos para casas indígenas

O IEPA estará recebendo nesta segunda-feira, 27, às 15h, no Auditório do Museu Sacaca, os recursos para construção de três casas indíg...